Parceiros 2020-06-15T11:54:50+00:00

Centro Mamíferos Aquáticos

O Centro Mamíferos Aquáticos – CMA é um dos Centros de Pesquisa e Conservação do ICMBio (Portaria nº 74 de 09-02-2017), embora a portaria seja recente o CMA foi criado pelo IBAMA em 1998 (Portaria nº143 de 22-10-1998 – link) e sua história é mais antiga, no início dos anos 80 surgiu o Projeto Peixe-Boi, que com sucesso alcançado na proteção dos sirênios (peixe-boi) foi transformado em CMA e suas ações de conservação passaram a abranger todos os mamíferos aquáticos que ocorrem no Brasil.

A sede nacional do CMA está localizada na cidade de Santos-SP, onde são planejadas e executadas pesquisa e ações para a conservação de mamíferos aquáticos em todo litoral brasileiro e região amazônica.

https://www.icmbio.gov.br/cma/

Cristiane C. Albuquerque Martins / Tryphon Océans

Cris é de Brasília, mas desde pequena é extremamente conectada com o mar. Foi o encalhe de uma baleia-jubarte viva no Rio de Janeiro que confirmou o desejo já existente de dedicar seus estudos à proteção dos mamíferos marinhos. Em 1989, ela participou de uma expedição (Escola do Mar do Colégio Objetivo) em Angra dos Reis e foi lá que ela descobriu a Oceanografia. Graduada em Oceanologia pela FURG em 2000, e mestre em Ecologia pela UnB, sua pesquisa visa contribuir com a gestão integrada do ambiente costeiro e marinho e dessa forma garantir que o habitat dos cetáceos faz parte da equação. Pioneira no uso dos Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para a proteção dos mamíferos marinhos, ela integra os conhecimentos ecológicos com ferramentas de SIG na sua pesquisa. Especialista em observação comportamental de cetáceos, participou de diferentes estudos no Brasil, Argentina, e no Canadá, onde reside desde 2007. Cris completou o Doutorado em Geografia na Université de Montréal. Pesquisadora, mãe, mulher e ativista social, ela não mede esforços para contribuir com ações que visem a preservação do Planeta Terra.

ECO Informe

Especializado em meio ambiente, sustentabilidade e responsabilidade social, o ECOinforme tem como objetivo contribuir para a construção de um mundo sustentável, ao se propor a informar, opinar, realizar palestras temáticas, projetos ambientais, expedições sustentáveis e especialmente divulgando as boas ações do mundo corporativo. Um espaço independente para a veiculação de notícias, artigos, teses, ideias: uma tribuna de debates por uma sociedade mais justa, contribuindo para o desenvolvimento sustentável no Planeta. O ECOinforme conta com uma equipe de profissionais e colaboradores das áreas jornalística, acadêmica e ambiental.

www.ecoinforme.com.br

ECO360

ECO360 é um projeto de produção audiovisual com foco na conservação ambiental. Através do poder das imagens, busca sensibilizar e comunicar a ciência, fortalecendo os laços entre a natureza e o público em geral. Idealizado pelos biólogos Daniel Venturini e Marina Angeli, o projeto mescla sensibilidade, educação, ousadia & fascínio em suas produções. Usando ferramentas e práticas inovadoras, apoia a comunicação de projetos de pesquisa, unidades de conservação e instituições. A ECO360 cria audiovisuais com muito carinho, no desejo de cativar nas pessoas Um Outro Olhar para a vida.

Hew Barreto

Graduanda em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Alagoas. Foi estagiaria no Instituto Baleia Jubarte em 2015 por 5 meses onde realizou em Abrolhos atividade de observação de baleias-jubarte, monitoramento de boto-cinza e whale whatching. Também foi estagiária no Instituto Biota de Conservação onde participou de monitoramento, manejo e conservação de tartarugas marinhas e mamíferos aquáticos. Atualmente desenvolve pesquisa sobre comportamento de baleia-jubarte no Laboratório de Ecologia Quantitativa. Apaixonada por quadrinhos, colabora com o VIVA Baleias, Golfinhos e cia criando ilustrações voltadas à educação ambiental e conservação.

 Isabelle Avolio Tristão

Fascinada por animais desde criança, sempre quis mudar o mundo e cuidar do meio ambiente.Aos 9 anos, quando viu o mar pela primeira vez, percebeu, então, que sua vontade era estudar, entender e proteger a vida marinha. Cresceu, se dedicou e agora, Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de São Carlos – UFSCar – já estagiou com reabilitação de animais marinhos, trabalhando com tartarugas no projeto TAMAR, cuidando de peixes-boi na Aquasis e passando cinco meses no Arquipélago de Abrolhos, onde, durante o estágio no Instituto Baleia Jubarte viu pela primeira vez, uma baleia e descobriu sua verdadeira paixão e vocação: os cetáceos. Desde 2018, realiza atividades com o VIVA, incluindo o trabalho de monitoramento de cetáceos através de ponto fixo de observação em terra, no litoral norte de São Paulo, onde vem exercendo a sua profissão com muito respeito, orgulho e amor pelos animais.

Juliana Marigo
100Plástico

“Somos pessoas preocupadas com o problema do plástico. É uma questão muito simples: todo plástico produzido continua existindo, não é biodegradável, pode afetar a nossa saúde e a saúde dos animais e do meio ambiente. Estima-se que até 2050 haverá mais plástico do que peixes nos mares e já temos microplástico na água de nossas torneiras… Podemos fazer pequenos esforços e mudar isso? Com certeza! Junte-se a nós e faremos a diferença!
Vamos “desplastificar”! “

www.100plastico.com.br

Marcio Motta

Desde pequeno andando pelas terras, águas e matas do litoral de São Paulo (Brasil), foi introduzido pelo seu Avô-Mestre ao universo dos animais, livros e paisagens naturais, com a missão de contar essa interação e riqueza para as pessoas de alguma forma, aceitou a missão e encontrou como Biólogo, Educador e Fotógrafo uma forma de contar essas e outras muitas histórias. Se formou na Universidade Católica de Santos e é Mestre em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina. É graduando em Pedagogia pelo Senac e Fotografia pela Escola Fullframe e Michigan State University. Atualmente é diretor do Colégio COC Novomundo na Praia Grande e Presidente do Conselho das Escolas de Técnicas de Economia Criativa do Estado de São Paulo (São Paulo, Brasil).

Projeto Baleia à Vista

Apaixonado pela navegação desde a juventude, Julio Cardoso costumava sair constantemente para navegar e pescar no litoral norte de São Paulo. Em 2002, quando participava de um torneio de pesca oceânica a 60 milhas da costa, Julio teve o encontro que mudaria sua trajetória de vida. Pescando em alto mar, onde a água azul tem visibilidade incrível, ele e a tripulação viram nadar sob o barco dois animais imensos, que pensaram ser marlins gigantes. Emergiram duas baleias-minke que fizeram o movimento de spyhopping (o animal coloca boa parte da cabeça fora da água e o corpo em posição vertical, para observar o que está no entorno), comportamento comum em várias espécies de cetáceos. Após esse encontro marcante, Julio passou a navegar também com o objetivo de encontrar as baleias. O primeiro registro oficial, com documentação fotográfica, ocorreu em 2004 nas imediações das Ilhas dos Búzios e Sumitica, Arquipélago de Ilhabela: “De repente, à uma distância de uns 150m, vimos um grande borrifo e a Bryde emergiu. Consegui fotografar e acompanhá-la por algum tempo. Ela soltava bolhas de ar submersa e virava de barriga pra cima, pois estava atacando um cardume de anchovinhas com sucesso. Foi uma experiencia incrível fazer este primeiro registro!” .

Em seguida Julio conheceu a bióloga, especialista em cetáceos, Shirley Pacheco de Souza, com quem começou a fazer saídas de avistagem e aprendeu métodos de avistamento, passando a organizar os registros de forma sistematizada. De 2004 até setembro de 2018 foram feitos 161 registros de 283 baleias das 4 especies que frequentam a região (Brydes, Jubartes,Orcas e Baleia Franca Austral), alem disso nos últimos 5 anos foram feitos 77 registros das 6 especies de golfinhos presentes na região (Toninhas,Botos Cinza,Pintados do Atlantico,Comuns,Nariz de Garrafa e Dentes rugosos) feitos pelo próprio Julio e colaboradores.

No final de 2016, Julio faz parceria com a bióloga e fotógrafa de natureza, Arlaine Francisco e juntos criam o Projeto Baleia à Vista, com o objetivo de levantar informações sobre cetáceos no Litoral Norte de São Paulo, especialmente na região de São Sebastião e Arquipélago de Ilhabela, difundir o conhecimento sobre baleias, golfinhos e outras espécies marinhas e contribuir com a preservação desses animais e do ambiente marinho.

https://www.projetobaleiaavista.com.br/

Projeto Baleia Jubarte / Instituto Baleia Jubarte

Criado em 1988 como parte das ações de Implantação do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, e visando estudar e proteger a população remanescente de baleias-jubarte do Brasil, à época muito ameaçadas de extinção, o Projeto Baleia Jubarte é o principal programa de trabalho do Instituto Baleia Jubarte, instituição não-governamental sem fins lucrativos fundada em 1996 e dedicada à conservação marinha. Atualmente conta com três bases físicas, esta na Praia do Forte, Caravelas no Sul da Bahia e em Vitória, no Espírito Santo. O Projeto é patrocinado pela Petrobras desde a criação do Instituto e trabalha em três frentes – pesquisa, educação e políticas para a conservação – para assegurar que a recuperação das jubartes brasileiras continue acontecendo.

https://www.baleiajubarte.org.br/

Maria Bernadete Barbosa

“Berna”, como é chamada carinhosamente por todos que têm o prazer de conhecê-la, é uma paraense que encontrou na Bahia a sua maior missão. Respeitavelmente conhecida como a guardiã dos Abrolhos, dedica-se à sua profissão com muito amor: cuidar e proteger as ilhas e mares do Parque Nacional Marinho dos Abrolhos há mais de 30 anos. Apaixonada pelo mar, mergulha, ensina, aprende, respira e contagia a todos com o seu amor e preocupação que tem pela natureza. Berna é ainda mais especial para o VIVA, pois fazem aniversário no mesmo dia: 11 de abril!

 Sabrina Pires – @eaibicho

Sabrina Pires é jornalista, pós graduada em Marketing, repórter e apresentadora de televisão e rádio, em São Paulo. Apaixonada por animais e meio ambiente, tem como propósito profissional dar voz a quem não tem, construir pontes de ideias e contar boas histórias. É autora do livro “E agora, bicho? Manual prático para horas de perrengues (com) animais” e criadora do canal no YouTube “E aí, bicho?”.

http://www.eaibicho.com.br/

Bola Estúdio

Estúdio de Design Gráfico dirigido por Suzana Cersosimo. Iniciou a parceria com o VIVA Baleias, Golfinhos e cia na repaginação do seu logotipo.
Foi o responsável por dar vida ao site, tentando transmitir nele todo o amor que as integrantes do VIVA sentem por esses animais e pela natureza.

www.bolaestudio.com.br
Ir para o topo